segunda-feira, janeiro 01, 2007

Ele está comigo, contra todos

Demos um pouco de importância a alguém que pensa ter muita. Para ir lembrando que existe, Júlio Vieira aparece de quando em vez n'O Portomosense com assuntos salteados sobre a actualidade local.
Ainda está fresco na memória a sua última intervenção em que terminava, dizendo que recomendava aos seus descendentes que dominassem bem a língua inglesa, pois por cá não teriam grande futuro. Fica a dúvida se não lhes reconhece capacidades suficientes para singrarem por cá, ou se acha que Portugal é um país sem futuro? Para quem tem as ambições que grita à boca pequena ter, só a primeira hipótese poderá ser verdade.
A autoria do presente blog é-lhe frequentemente atribuída, o que lhe deve dar um tremendo gozo. Convenhamos que a imagem de pseudo-esclarecido a travar uma batalha nas trevas, como se de um Xanana a combater o salgueirismo indonésio nas perigosas selvas dos bits e dos bytes, se tratasse, é-lhe agradável.
No último número d'O Portomosense aparece novamente com mais umas frases dignas de emolduramento. Como que a tentar mostrar convicção após a tareia que a também bicefala Comissão Política a que pertence sofreu na última Assembleia Municipal, vem a público garantir ter a certeza que Deus na Sua infinita sabedoria ficou contente com os quatro singelos votos alinhados com as suas directivas. Este é de facto o melhor argumento que podia apresentar. Deus está a seu lado.
Dá para ficar na dúvida se terá andado a ler discursos inflamados de algum mulá instigador da jihad contra os infiéis. Eles também garantem ter um 112 directo para Deus. O cilício deixa-lhe aqui uma sugestão: na próxima Assembleia Municipal mande benzer o Salão Nobre e os deputados antes do início dos trabalhos. Talvez depois de abençoados possam ver o caminho que agora não enxergam. E já agora renasça. Amém

3 Comments:

At 9:13 da tarde, Blogger Alcachofra said...

No J. Vieira reconhecemos a vontade, a coragem e a força, que alguns não têm, o nervosismo e o som que todos incomoda, até mesmo o autor do Cílicio que é uma "figura" e não a "pessoa" que já foi alvo da crítica do autor do texto.

Bem hajam muitos Júlios e muitos Cílicios.

 
At 12:40 da tarde, Blogger praga said...

Nos Blog’s de Porto de Mós fala-se de muita coisa, mas até agora não vi ninguém falar sobre a Banda. A banda Recreativa Portomosense é a mais antiga do Concelho, a mais antiga do Distrito e uma das poucas instituições culturais populares deste país a perfazer dois séculos de existência. Se lá chegar, em 2008 a Banda Recreativa Portomosense completa 200 anos de actividade e digo se lá chegar porque a Banda está quase a fechar a porta. Mas parece que os portomosenses não estão muito preocupados com isso. Se calhar o melhor mesmo era fechar a porta e pronto. Quantos sabem onde fica a sede da Banda? Quantos sabem o que ela faz? Sabem que tem um escola de música a funcionar? Acho que não sabem. Até no Jornal O PORTOMOSENSE desconhecem a existência da Banda, senão vejam: O director do jornal faz parte da direcção da Banda, esteve presente no concerto de Natal e não conseguiu arranjar duas linhas ao menos para desejar bom natal à Banda!
Vocês sabem como é a Banda? Ou pensam que os músicos caem do céu para a procissão dos Passos e para a procissão do S.Pedro?

 
At 12:43 da manhã, Blogger fm said...

Ou ti Praga, essa da banda está linda, acertou na muxe.
Mas pergunto, quantas situações iguais às da banda existem.
Ninguém sabe nem quer saber, porque a banda vai a passar com o seu ar triunfante que entra melodicamente no ouvido e nos faz lembrar o umbigo, logo baixa-se os olhos e assobia-se para o lado.
Pelo que tenho lido, em Porto de Mós existe muita parra e pouca uva nesses potriqueiros.
Se pode-se votava em s, caso se candidata-se a um cargo pois conseguiu-me seduzir com o seu grito do IPIRANGA.
Bem haja e força para essas bandas.

 

Enviar um comentário

<< Home