sexta-feira, julho 21, 2006

E vai mais um...

De acordo com o último relatório do agente cilas, que aos poucos tem conseguido ganhar a confiança das chefias que orbitam os gabinetes do poder camarário, o regulamento das piscinas vai ser mais uma vez alterado.
Depois de ter assumido pessoalmente o primeiro regulamento de exploração das piscinas, ainda como vice de José Ferreira, salgueiro logo que tomou posse e com o argumento de que este era ruinoso para o concelho, lançou-o às silvas.
A facilidade em mudar de opinião e logo depois garantir que não tem nada a ver com o passado é já uma imagem de marca do actual presidente.
Com o argumento de que usar a ‘prata da casa’ era mais barato, o seu vice januário, lá o terá levado a testar um modelo experimental de exploração do tipo ‘faça você mesmo’, ou melhor ‘aprenda a pregar, martelando nos dedos’.
Tão preocupados com as despesas correntes, nunca informaram a população de quanto custou a interrupção do primeiro contrato. Certamente por considerarem tal custo como despesa de capital. Só pode.
Segundo o agente infiltrado cilas, o executivo depois de tanta reclamação do público lá se agoniou com a ‘prata da casa’ e agora vai partir para outra. Agora é que vai ser para durar. Faz lembrar aquelas mulheres sérias que estão sempre a encontrar um amor para a vida inteira. Certamente que como acontece com elas, o próximo contrato é que será o ideal.

Ainda sobre a piscina municipal, o cilicio já fez no passado algumas dissertações e até uma sugestão que alguém reteve em memória. É certo que na altura o blog tinha menos consultas num mês que agora tem num dia, mas lá ficou registada.
Segundo o mesmo relatório do agente cilas, anda um presidente de junta e o presidente da câmara a tentar implementar essa ideia, com a particularidade de ambos a pretenderem vender como sua.

quinta-feira, julho 06, 2006

salgueiro consegue endividar ainda mais o município

Na última sexta-feira, salgueiro e companhia pediram à Assembleia Municipal autorização para mais uma dívida.
Depois de ter ‘encontrado’ a Câmara Municipal num estado financeiro calamitoso, salgueiro faz a primeira alteração ao seu rigoroso orçamento, pedindo 500.000 €ur à banca.
É assim que para eles se contêm as despesas.
Como em qualquer governação PS que se preze, o endividamento é o remédio para todos os males.
E em que será utilizado este valor? Este valor será utilizado para construir o Jardim do Sol, ou melhor o Jardim Verde, ou Parque Verde ou como lhe queiram chamar.
A obra que tanto criticou e até ridicularizou durante a campanha, irá ser a sua obra do mandato. Isto se não voltar a mudar de ideias.
Depois de ter prometido um pavilhão multiusos, que num impulso custaria 70.000 contos e que pouco depois já seriam 300.000, apostou mais tarde na recuperação da antiga central termoeléctrica para o novo museu. Neste momento está mais inclinado em adoptar à ideia de José Ferreira e arranjar a zona da Várzea. Nos próximos meses as actuais prioridades serão certamente ultrapassadas por outras boas sugestões da sua equipa.
O que importa é ter umas inaugurações bem propagandeadas no último ano do mandato.
Mas se o executivo não tem maioria na Assembleia Municipal, como é que isto passou?
A maioria PSD da AM não se deve à eleição directa mas aos Presidentes de Junta.
Os Presidentes de Junta, por dependeram financeiramente da Câmara Municipal são o elo mais fraco da AM. Com um simples telefonema lembrando a facilidade de aparecer aquele cheque importante, ou a aprovação daquela obra é meio caminho andado para abalar qualquer tentativa de se opor ao executivo. Uns ainda resistiram mas não os suficientes.
Estas práticas, embora inéditas no nosso concelho não o são noutras zonas do país, às quais pouco a pouco nos vamos aproximando.
E assim com algumas misteriosas ausências na sala, o empréstimo lá passou.
salgueiro ficou mais endividado e também mais satisfeito.
Os fins justificam os meios.