sábado, dezembro 24, 2005

Ao menino cilício, uma salva de palmas...

O cilício completa hoje um ano de existência. O autor dá-lhe os parabéns e deseja-lhe felicidades.

A alguns terá incomodado, a outros arrancado uns sorrisos, mais ou menos amarelos, mas o seu objectivo foi atingido quando o debate foi lançado e se despoletou a contra argumentação, o que aconteceu algumas vezes.

Alguns leitores incomodados e sem melhores contra-argumentos retribuíram com frases que constituem verdadeiras pérolas da retórica.

Cada uma destas frases foram um presente de Natal antecipado e o cilício vê os seus autores como um Pai Natal generoso.

Aqui ficam algumas:

“lamento que a sua ‘obra’ feita de forma desconhecedora, imbecil e cobarde”

“Nunca percebi a vantagem do anonimato”

“não vamos dar relevância a vozes pseudo intelectuais de línguas
maledicentes”

“É especialmente indignante”

“Para acabar, sabe o que não gosto... é de imaginar-se-lhe a cara de satisfeito por saber agora que alguém lhe prestou alguma atenção ao seu pequeno blog... mas foram só 15 minutos de fama ...” [Fev/2005]

“Tenha contenção na linguagem que usa”

“Esta é a última vez que por aqui passo. O Cilício não presta.”

“tens por isso a obrigação de não pôr tanto veneno nas análises que fazes”

“Aqui a flagelação é exclusivamente da carne alheia”

“Talvez o Cilício não tenha vida própria”

“Enxerga-te e mete a viola no saco.”

“Quanto a ti cilício, aconselho-te a chafurdice futeboleira e deixa a política para os outros, porque não és exemplo para nada de bom.”

“O cilício corre por fora. Tem a secreta ambição de ser presidente da Câmara de Porto de Mós daqui a quatro anos.”

“Ufa até que enfim. O cilício escreveu alguma coisa com jeito”

“não me parece nada bem que fale do que não sabe”

“o cilício é tendencioso”

“Caro cilício, mede bem as palavras, porque constou-me que poderás ter que provar em Tribunal as afirmações que fazes e com um mandado judicial, não há anonimato que te salve.”

“Alguém se anda a divertir com brincadeiras de mau gosto, inclusive o autor deste site.”

“Sinto receio no teu discurso”

“O cilício continua a ser boateiro e tendencioso”

“A mensagem que pretendes fazer passar, não é bílis nem veneno, é ódio”

“Porque te conheço e sei quem és”

Na expectativa de que tenham um bom Natal e um ano de 2006 melhor que o que agora termina, o cilício gosta de acreditar que no próximo ano a retórica portomosense continuará a evoluir, assim com o número de pessoas com opinião racional e objectiva sobre o que se passa na sua terra.

Do vosso

cilício

quarta-feira, dezembro 21, 2005

Sobre o candidato menos jovem

O afastamento de soares do centrão que o elegeu a Presidente da República e que se chegou a rever na sua representação, já começou há alguns anos.

Pouco a pouco foi tomando posições cada vez mais extremadas. Por tudo e por nada desfere violentos ataques a todas as políticas de direita.

A sua candidatura a um terceiro mandato presidencial é um desvario de um idoso que, como acontece com todas as pessoas senis, insiste que ainda está ‘para as curvas’.

Os ataques constantes que tem feito à figura do Prof. Cavaco Silva, têm apenas irritado os soaristas, que já repararam que Cavaco não lhe dá troco e deixa-o a praguejar sozinho.

O nível tem baixado de tal forma que perante a maioria da opinião pública portuguesa a imagem de soares só recuperará quando este for jogar umas partidas de sueca com álvaro cunhal.

domingo, dezembro 18, 2005

Proteccionismos

“Hoje ouvi Fernando Sarrasqueiro, secretário de Estado português, congratular-se com o adiamento de 2010 para 2013 para o fim dos subsídios da UE à exportação agrícola .
Até tenho vergonha. Que alguém, dizendo-se representante de Portugal, se congratule com o prolongamento da situação perfeitamente anormal e imoral de os países ricos, subsidiando os seus privilegiados e protegidos agricultores,
fomentarem a pobreza daqueles que já são mais pobres e que se encontram impedidos de concorrer livremente. É chocante.”

in ablasfemia.blogspot.com


O cilicio não estranha estas declarações do secretário de Estado.
As forças de esquerda, tão atreitas a criticar a globalização, pedem para travar este processo irreversível, sempre mais e mais proteccionismo.
Esquecem-se que esse mesmo proteccionismo é causador das maiores distorções de mercado, vantajosas apenas para quem não conseguia reunir condições de competitividade e apenas com o arrecadar destas receitas extraordinárias consegue colocar produtos no mercado a preços mais baixos que quem tem as melhores condições naturais para o fazer.
A alegria de Serrasqueiro surge nessa linha.

Estranho é quando fica com a voz embargada pela emoção sempre que o fórum de Porto Alegre reúne e reclama maior proteccionismo ao terceiro mundo e o fim da globalização...

O que eles querem é:

- fim da concorrência desleal ao terceiro mundo pelo ocidente

- que não acabem os subsídios agrícolas na UE

Faz sentido...

quinta-feira, dezembro 15, 2005

Aniversário à porta

O cilício caminha a passos largos para o seu aniversário e o seu autor, como não podia deixar de festejar este evento está a preparar um post comemorativo.

No final do ano, será publicado um texto sobre o camarada salgueiro, uma das personagens que mais contribuiu para a popularidade deste blog.

A todos (ou quase) umas Boas Festas.

terça-feira, dezembro 13, 2005

Campanha exótica

Na sua exótica corrida presidencial, Mário Soares já afirmou ser o anti-Salazar, lembrou o seu passado de luta contra o fascismo e falou de noites sem dormir descansado caso Cavaco Silva fosse eleito. Esta semana, em entrevista no Público, manteve o tom e disse: “Aceitarei a sua legitimidade [de Cavaco] desde que a eleições sejam limpas”.

Presumindo que Mário Soares não está a confundir Portugal com o Haiti, e dando por certo que já anda nestas coisas há tempo suficiente para só dizer aquilo que realmente quer, estamos perante uma estratégia de campanha: Soares quer aparecer como o candidato antifascista que luta contra o candidato quase fascista. É uma estratégia absurda, que já foi usada pelo filho, João Soares, com a desastrada consequência de ter levado Pedro Santana Lopes para a Câmara de Lisboa. Como não resultou uma vez, usa-se uma segunda. Faz sentido.

in Sábado, Editorial

quinta-feira, dezembro 08, 2005

A TSF passa o que interessa

O PGR Souto Moura, comentando a investigação do processo Casa Pia, disse, além de outras coisas importantes, o seguinte:

"Não foi a ideal. Foi a possível com os condicionalismos que havia na altura. Acho que se fez uma obra notável, porque se lutou contra resistências que vinham de todos os lados. Foi extremamente árduo”.

A TSF retomou as frases, editou-as, podou-as e saiu assim para a rua: O PGR admitiu pela primeira vez, a existência de erros na investigação.

Hoje, sem mais acrescentos, passou a notícia ao candidato a PR Mário Soares e pediu-lhe opinião.
Lesto, o candidato Mário Soares, ripostou:
"É evidente que tudo aquilo foi mal conduzido"

É assim que se manipula a informação e a opinião pública!

Talvez seja ocasião de mudar o slogan do "tudo que passa", para "apenas o que interessa, está na TSF"!

Sobre o candidato, não se deveria perder a oportunidade para lhe fazer lembrar uma outra investigação em que tudo, ao contrário de agora, terá sido muito bem conduzido: o célebre caso do fax de Macau.
Que tal pedir uma opinião sobre isso, ao investigador da época, Rodrigues Maximiano e também ao PGr da época, Cunha Rodrigues? E já agora, - porque não?- também ao sempre presidente Almeida Santos, ele que está sempre pronto a dar opiniões avalizadas.

in grandelojadoqueijolimiano.blogspot.com

domingo, dezembro 04, 2005

Sobre a entrevista de joão salgueiro aO Portomosense

Qua passagens desta entrevista ficam na memória dos leitores?

- Não se filia no PS, por achar que muitos dos eleitores que o preferiram não eram PS.
O cilício concorda e acrescenta que muito do eleitorado tradicionalmente do PS também não terá votado nele.

- É ponto assente que não se voltará a candidatar pelo PSD, e também que não tem ambição de o fazer pelo PS.

Sobra-lhe apenas a candidatura como independente ou a não candidatura. O que será que os seus vereadores socialistas acham desta falta de ambição? Se calhar não se importam, porque eles próprios o que realmente queriam era a vitória. Para eles, como para salgueiro, o PS foi apenas o meio para atingir um fim. Será?

- Acha que por uma questão de idoneidade pessoal, Jorge Vala não levará por diante a ‘ameaças’ proferidas na tomada de posse.

Esquecendo-se que o PS é que é a oposição na AM e certamente imbuído de um precoce espírito natalício, salgueiro acha que o PSD se esqueceu das abundantes e irrealistas promessas que ele próprio fez...

- Diz que, ao contrário do que afirmam todos os rácios de endividamento dos municípios, a situação financeira da Câmara Municipal de Porto de Mós, já não era boa quando se demitiu do cargo de vice-presidente e que depois disso piorou bastante.

Perante este cenário catastrófico, certamente que nunca ousará apresentar nenhuma proposta de endividamento na AM...

- Afirma que não se preocupa se não cumprir 100% do prometido na campanha.

Qual a percentagem que o deixará satisfeito? E ao eleitorado?