quarta-feira, novembro 30, 2005

Tudo em família

"O PS, a braços com algum desvario doméstico por causa das presidenciais, decidiu, através da "concelhia" de Lisboa, retirar a confiança política a Carrilho e ao seu número dois na Câmara de Lisboa por aparentemente terem votado qualquer coisa ao lado do PC. Veio depois Miguel Coelho, uma piéce de resistance da dita concelhia dizer que não, que afinal era só o número dois que ficava privado da sua sublime "confiança". Na AR, por causa do Orçamento, o mesmo PS indignou-se (mais uma indignação) contra o deputado faltoso Manuel Alegre o qual, por sua vez, se indignou com a indignação do seu partido. E atirou-lhes as sondagens à cara. Esta trapalhada paroquial não vai acabar bem. E acabará bem pior se, a 22 de Janeiro, o candidato "oficial" aparecer em terceiro lugar, coisa em que, apesar de tudo, não acredito. O que é espantoso no meio de tudo isto é que, ao contrário do que eu julgava, Sócrates deixou-se irritar e pôs-se a falar por causa de Manuel Alegre, alguém cuja irrelevância política não devia ser salientada pelo primeiro-ministro. Se ele o faz e se Soares já berra com o partido, isso significa que começaram a intuir a trapalhada em que se meteram todos por causa das presidenciais. Não tarda nada - e, para isso, convém atentar na entrevista de Soares a Judite de Sousa - o candidato "oficial" desatará a "descolar" do colo do partido, enquanto o partido lho quer manter a todo o custo, fazendo-lhe o favor de "chatear", a torto e a direito, o outro socialista candidato. É útil manter uma prudente distância destas zangas caseiras. E, por outro lado, prestar mais atenção a outras coisas. A avaliar pelo que se lê pelo que se ouve, parece que é isso que o país anda tranquilamente a fazer."

in portugaldospequeninos.blogspot.com

Jornalismo em Portugal

Pelos vistos, esta notícia da TSF era falsa.

E no Fórum da TSF da passada manhã:

- Convidámos para dar a sua opinião, Mário Cordeiro, psiquiatra;
- Não sou psiquiatra, sou pediatra;
- A terminação da palavra é a mesma.

E assim vamos de Jornalismo em Portugal...

segunda-feira, novembro 28, 2005

Sobre o crucifixo


Estranho que o mesmo Estado que se deixa representar pelo primeiro selo real de 1134, tenha mandado retirar os símbolos religiosos das escolas...

Quando as sondagens são notícia II

Houve mais quem tivesse reparado.

sábado, novembro 26, 2005

Quando as sondagens são notícia

Ontem fomos mais uma vez bombardeados com as notícias ‘made in’ TSF.

O assunto foi a sondagem da Marktest para a TSF e Diário de Notícias. Segundo foi dito e repetido vezes sem conta, Cavaco Silva já só tinha apenas 44% das intenções de voto e assim via comprometida a eleição à primeira volta.

Segundo esta sondagem Manuel Alegre subiu nas intenções de voto para 14,6% (tinha 13,8%), Mário Soares recolhia 10,6% (tinha 10,3%), Jerónimo de Sousa tem 5%, estando à frente de Francisco Louçã.

Ora então:

44% (CV) + 14,6% (MA) + 10,6% (MS) + 5% (JS) + 4%? (FL) = 78,2%

Então onde estão os restantes intenções de voto? É normal que estas parcelas somadas totalize 100%!!!

Ao mesmo tempo a sondagem da Universidade Católica para a RTP e o Público, atribui 57% das intenções de voto a Cavaco Silva, 17% a Manuel Alegre, 16% a Mário Soares, 5% a Jerónimo e 4% a Louçã

57% (CV) + 17% (MA) + 16% (MS) + 5% (JS) + 4% (FL) = 99%

Segundo a RTP e o Público Cavaco Silva ganha na primeira volta.

Quando é que a deliberada falta de rigor de certos media passará a ser responsabilizada? Quem é que acredita que esta interpretação de resultados à medida da vontade de quem a faz é inocente e resulta apenas de uma distracção?

segunda-feira, novembro 21, 2005

Reorganização Administrativa do Território?

Será que isto irá chegar ao nosso concelho? Certamente que sim.

quinta-feira, novembro 17, 2005

A Camara Municipal vai ser gerida como uma empresa...

Esta frase de joão salgueiro ficou na memória de todos os que assitiram à tomada de posse dos órgãos executivo e deliberativo da Autarquia.
Como será a gestão da ‘sua’ empresa? Será que o seu lendário Sim continuará a ser a sua imagem de marca?
Como irá gerir o pessoal ao seu serviço? Este assunto foi por ele puxado na campanha e os funcionários estão atentos.
Como se desenrolará o relacionamento dos vereadores socialistas? As ‘origens’ políticas de cada um deles são muito diversas e a única coisa que os unia, a vontade de derrotar José Ferreira, já se diluiu. Será que a sua composição ser irá manter até o final do mandato?
O cilício acha que agora é o tempo de mostrarem o que valem, e por isso ficará em silêncio, sem dormir, mas em silêncio.

terça-feira, novembro 15, 2005

Onde o Ocidente é mesmo feio

1.O apoio à agricultura nos países ricos é de 300 mil milhões de dólares por ano - seis vezes o que se gasta na mediática ajuda (caridade) na luta contra a pobreza no terceiro mundo. Haja hipocrisia.

2. Aqueles que apoiam a agricultura ocidental em marchas anti-globalização são, precisamente, os mesmos que, depois, declaram a sua caridade junto dos Bonos deste mundo. Haja ignorância.

in oacidental.blogspot.com/

domingo, novembro 13, 2005

Por que será que este senhor continua a merecer tanta atenção?

O cilicio ouviu no passado sábado na radio, josé saramago a comparar as manifestações dos estudantes franceses em Maio de 68 com a intifada francesa dos últimos dias.

Segundo o que disse, estes emigrantes lutam pela sua dignidade! Quando incendiam um automóvel, não o querem destruir. Querem sim, destruir o significado do automóvel no sociedade actual...

Será que nenhum de entre os milhares de automóveis incendiados pertencia a um operário comunista? Até se pode dar o caso de esse ser o seu único meio de transporte, adquirido com esforço e provavelmente com recurso a um crédito? Onde é que encontra dignidade em tal barbaridade?

Será que se fosse josé saramago a estar no lugar do cidadão francês agredido violentamente durante os ataques e que veio a falecer, ainda encontraria alguma dignidade em tais actos? É de salientar que a vítima em causa foi agredida simplesmente por não ter a aparência de um emigrante.

Por que será que este senhor continua a merecer tanta atenção?

sábado, novembro 12, 2005

O caso Eurominas

“O caso remonta a 2001, ano em que era primeiro-ministro o socialista António Guterres, tendo sido atribuída pelo Estado uma indemnização de 12 milhões de euros à Eurominas.

"Está instalada a controvérsia, com insinuações e até acusações de lado a lado, sobre a forma como o XIV Governo acabou por decidir o caso Eurominas, atribuindo uma elevada indemnização à empresa contra a legislação em vigor e ao arrepio de um vasto leque de pareceres oficiais anteriores", justifica o PSD, no seu projecto de resolução. (...)

No final do último Governo de Cavaco Silva, em 1995, o executivo PSD decidiu que os terrenos no estuário do Sado onde funcionava a fábrica de ligas de manganês Eurominas e respectivos equipamentos deviam reverter para o Estado por falta de actividade da empresa desde 1986, sem direito a qualquer indemnização.

A Eurominas recorreu para os tribunais e o processo só se concluiu em 2001, através de um acordo extrajudicial, quando a empresa era defendida pelo escritório de advogados de António Vitorino, José Lamego e Alberto Costa, todos ex-governantes do executivo de António Guterres.

De acordo com o jornal Público, que desencadeou esta investigação, a Eurominas recebeu então perto de 12 milhões de euros, depois de vários pareceres jurídicos contrários, e, inclusivamente, depois de o actual secretário de Estado da Justiça, Tiago Silveira, ter defendido, como adjunto de António Vitorino (então ministro do Estado), que não havia lugar a indemnização.

Apesar de a Polícia Judiciária e o Ministério Público já terem iniciado as averiguações sobre o caso - segundo a edição de quarta-feira do Diário de Notícias - por suspeitas de favorecimento da Eurominas com prejuízo para o Estado, o PSD considera que são também necessários esclarecimentos políticos.”

in http://www.portugaldiario.iol.pt

O choque virtual de Sócrates

O Governo socialista espanhol abriu esta semana a possibilidade de cada cidadão se inscrever gratuitamente num domínio na internet. Isto em termos de futuro, e numa perspectiva de desenvolvimento da sociedade tecnológica, representa tanto como abrir gratuitamente uma grande auto-estrada que possa pôr em rede eficaz toda a Espanha e o mundo.
Os espanhóis correram de imediato para os computadores para poderem inscrever-se a tempo nesta iniciativa do Governo, aliás numa atitude premonitória do que acontecerá em breve na União Europeia. Na manhã de quarta-feira, 300 mil cibernautas tinham-se já registado. Um sucesso e um sintoma de que os cidadãos e as empresas em Espanha há muito assumiram que não se vai a nenhum lado desenvolvido sem as ferramentas que hoje permitem negócios directos, difusão de cultura e saber, comunicação.
O engenheiro Sócrates, que durante a campanha eleitoral fez duas promessas memoráveis - não aumentar os impostos e provocar um choque tecnológico no país -, parece que afinal trocou o choque pelo aumento dos impostos e deixou a tecnologia para o chique.
O aumento dos impostos não é mesmo virtual, é um verdadeiro choque eléctrico e as promessas de promover a sociedade do desenvolvimento transformou-se numa ridícula dedução no IRS para quem compre um computador para a família de modo a aguentar um prazo final sem validade. Convenhamos que, para quem tinha um programa tão ambicioso para as novas tecnologias, não está mal!
A verdade é que o preço do acesso à banda larga em Portugal é uma afronta à economia das famílias, com as operadoras a praticarem preços muito acima da média europeia, como aliás também acontece com as chamadas nos telemóveis. A informatização dos serviços do Estado está longe de ser eficaz e as escolas com internet e ambiente digital, habituando os jovens a conviver com o computador, são muito poucas.
Hoje, a utilização aberta das grandes estradas da informação é tão importante, ou mais, do que as Scut gratuitas que todos andamos a pagar ou do que o TGV e o aeroporto da Ota, que em breve nos começará a sair dos bolsos (se ainda os tivermos). Não estou a ver um espanhol a querer vir a Lisboa por haver TGV ou um turista a preferir Lisboa por finalmente ir ter um aeroporto a uma hora de Lisboa e 50 euros de táxi, ou seja, o dobro do que se paga entre Barajas e o centro de Madrid. Mas já imagino uma empresa vizinha a ter negócios e interesses com congéneres portuguesas que oferecem excelentes possibilidades de trocas em rede.
Num encontro mundial de jornalistas onde estive esta semana, em Madrid, o que se discutia eram as novas e múltiplas possibilidades da internet na criação de novas possibilidades de informação e de negócio. Mas o que abria caminho a essas apostas de futuro, que são já de hoje, era sempre um grande carril de banda larga.
A verdadeira auto-estrada para o futuro. O contrário das promessas virtuais de Sócrates.
Luiz Carvalho, in Expresso 11/Nov/2005

quinta-feira, novembro 10, 2005

Mais spam político...

O cilicio continua a receber spam político na sua mailbox.

Como já tinha acontecido no passado, entre muito outro lixo informático apareceu mais uma proposta oriunda do largo do rato.

A missiva electrónica era assinada por um tal Marcos Perestello, e o seu propósito era o convite à recolha de assinaturas para a candidatura de Mário Soares.

De acordo com as sondagens, esta candidatura é credora de tão pouco apoio que existe o risco real de não conseguir recolher as assinaturas necessárias à sua formalização. Dessa forma, a esmagadora derrota de mario soares no frente-a-frente eleitoral com o Prof. Cavaco Silva seria impossível.

De forma a contribuir para a realização desse cenário, o autor do cilício irá preencher a proposta, certifica-la e remete-la à sede do PS...

quarta-feira, novembro 09, 2005

Mário Soares... raposa velha?

"Até galinhas velhas ou um ratos de laboratório aprendem. Se apanharem um choque sempre que tentam passar por uma porta vermelha e nada sucede na azul, passam a escolher a segunda ao fim de duas ou três experiências.
Pois os políticos dão com a cabeça 300 vezes na parede e continuam...
Não chamaria Mário Soares de “rato de laboratório”, mas não entendo como é possível ainda haver políticos que ainda não tenham compreendido que não é a dizer mal dos outros que se ganham eleições.
Até agora, ainda não ouvi ao ex-Presidente da República uma frase construtiva. Entre a tentativa titubiante de tentar explicar que está vivo e os ataques abespinhados a Cavaco, Soares resume-se a uma ínfima amostra do que foi. Ou seja, à crítica, ao ataque e à agressão. A antítese do que os portugueses esperam de um Presidente da República.
Nesse aspecto (pelo menos nesse), Manuel Alegre tem sido bastante mais inteligente. Para a frente é que é o caminho, e parece cada vez mais evidente que, se há um candidato da Esquerda para uma improvável segunda volta, é ele."

in nonioblog.blogspot.com

Escola de Gaia proíbe beijos entre alunos

Perante isto, é caso para dizer:

A proibição de beijos entre rapazes e raparigas em algumas escolas é assunto que aparece com alguma frequência e nunca o sr. deputado do bloco apareceu a defender ninguém...

E mais uma vez, não fossem os beijos terem sido trocados entre duas lésbicas, e a noticia nunca ultrapassaria o estatuto de 'noticia de rodapé'.

Como se tratou de um 'afecto homosexual', joão lopes consumui o seu tempo de antena na Assembleia da Républica dizendo: “Sabendo nós das dificuldades muitas vezes traumatizantes que enfrentam os jovens homossexuais em relação às frequentes agressões físicas ou verbais de cariz homofóbico, que programas ou intervenções nas escolas estão planeadas para que a discriminação pela orientação sexual não se perpetue?", o que define como "um puritanismo de outros tempos" e uma "repressão" inaceitável. Termina exigindo ao Ministério da Educação uma explicação.

Temos que dar um desconto. As presidenciais estão á porta e convenhamos que este é um dos nichos de mercado do bloco. Nesta campanha ainda vamos ver algum dos seus deputados a defender a liberalização das drogas... é só um palpite!

segunda-feira, novembro 07, 2005

Sobre a Intifada Francesa 3

"Perguntem aos candidatos

Já que está na moda ouvi-los a propósito de tudo e de nada, seria interessante saber o que pensam os candidatos presidenciais sobre o que está a acontecer em França.
A Francisco Louçã não vale a pena perguntar, porque se calcula que esteja de acordo com o camarada Teixeira Lopes - e já sonha com carros queimados e lojas destruídas ali para os lados do Casal Ventoso ou do Intendente. Jerónimo de Sousa também não deve estar muito longe deste ponto de vista. O que gostava de ouvir era a opinião de Manuel Alegre e, sobretudo, de Mário Soares.
Será que o candidato oficial do PS mantém a ideia que o diálogo é a melhor forma de responder a este tipo de terrorismo urbano - ou, pelo contrário, está solidário com a posição do Governo de José Sócrates e apoia a "determinação" das autoridades francesas para acabar com a violência?"

In oacidental.blogspot.com

Sobre a Intifada Francesa 2

"Porto, 05 Nov (Lusa) - O deputado do Bloco de Esquerda, João Teixeira Lopes, alertou hoje para o perigo de ocorrerem a prazo em Portugal incidentes semelhantes aos que têm assolado nos últimos dias os bairros de França e em particular os arredores de Paris.
"A degradação e desmantelamento do que resta do Estado-Providência, a privatização de serviços, os critérios cada vez mais apertados para atribuição de apoios sociais e a situação explosiva no que diz respeito à imigração, onde não existem políticas reais de integração, tornam perfeitamente possível a ocorrência futura de incidentes semelhantes em Portugal", disse o parlamentar.
"E os bairros franceses não têm nada a ver com o grau de degradação a que chegaram vários de Portugal, para além dos apoios sociais serem muito maiores lá", acrescentou Teixeira Lopes, numa conferência de imprensa dos deputados do BE eleitos pelo Porto.

Como se comprova uma vez mais, a irresponsabilidade do Bloco de Esquerda não tem limites."

In oacidental.blogspot.com

Sobre a Intifada Francesa 1

"a) A culpa pela escalada de violência na sábia e doce França deve-se ao racismo e à xenofobia com que os europeus têm tratado os imigrantes muçulmanos (certamente pelos crimes de lhes terem dado emprego, hospitais, de os cobrirem de subsídios pelo mero facto de existirem, de lhes perdoarem as sagradas excisões que fazem às sua próprias filhas entre outros desmandos identicamente insuportáveis), bem como às declarações do ministro Sarkozy que «ousou» classificar como «escumalha» aqueles dignos cidadãos franceses que expressam a sua revolta incendiando escolas, lojas e carros (e espancando qualquer francês de origem europeia que encontrem pelo caminho);
b) Esta interessante atitude está na senda da imprensa internacional mais conhecida pela imparcialidade e rigor informativo, onde se refere que «Violent riots that plagued France in recent days reflect the unjust discrimination in the French society presented in the unemployment rates and poverty among foreign immigrants, mostly Arabs and Africans in the majority Catholic nation»
c) Aliás, algumas ilustríssimas opiniões (na TSF deu-se voz a um vereador comunista, de origem lusa, dos arredores de Paris) chegam a aventar a extraordinária hipótese de «isto» ser uma cínica «jogada» de Sarkozy que está a pensar «roubar votos à extrema-direita para a sua candidatura presidencial» (pelos vistos, alguns cérebros privilegiados consideram preferível que esses votos continuem com M. Le Pen);
d) Grande parte dos inicidentes estão, ainda, a ser incentivados pela polícia que «invade mesquitas perseguindo jovens devotos muçulmanos» e que parece partir do estranho pressuposto que a «repressão violenta» é o «único remédio» para pôr fim aos «protestos»;
e) As rádios e televisões francesas estão a dar um «exemplo de grande responsabilidade» ao esconderem deliberadamente a gravidade da situação não informando o público da realidade factual e conseguindo, assim, «evitar alarmismos desnecessários» (o que parece estar a dar um resultadão nestes últimos 9 dias...);
f) Resta uma pergunta: Perante a actual INTIFADA FRANCESA, este triste quadro de desagregação dos resquícios mínimos de autoridade pública, quanto tempo mais demorará Chirac a pedir ajuda aos americanos para restabelecerem a ordem?"

In ablasfemia.blogspot.com

domingo, novembro 06, 2005

Houve mais quem reparasse ...

sexta-feira, novembro 04, 2005

Educação para a Cultura

Convicto de que o processo educativo se baseia na recolha e transmissão sistemática de informação, e que a cultura, individual e colectiva, resulta do acumular dessa mesma informação já processada, o cilicio questiona-se sobre o porquê da segregação que estes temas têm ao nível governamental.

Porque é que terá de existir um Ministério da Cultura autónomo do da Educação?

Sim, já sabemos que não havia que dar a fazer aos funcionários sobrantes, mas a questão ultrapassa largamente a conjuntura deficitária das contas públicas.

quinta-feira, novembro 03, 2005

Os socialistas não querem admitir...

"Os socialistas não querem admitir, mas o problema português (e europeu) está muito para além do deficit do orçamento. Esse é um problema do nosso “mau governo” caseiro, mas por detrás dele está a falência do chamado “modelo social europeu”, quer na versão maior (a nórdica), quer na versão deficiente e menor que é nossa. Os níveis de prosperidade e riqueza e de garantismo social actuais são insustentáveis já para a nossa geração, quanto mais para as futuras.
Sem querer defrontar este problema, tudo o que se faça são paliativos e adiamentos. Os socialistas (e muitos social-democratas) não querem tocar sequer no santo princípio do garantismo estatal, mas como a natureza tem muita força não têm outro remédio que não seja ir remendado-o aos poucos, para evitar o colapso a muito curto prazo. Só que em vez de questionar o problema de fundo, andamos às voltas a ver se podemos adiar um destino que parece inexorável. Dito com brutalidade, temos de ter maior insegurança nas nossas vidas, temos de viver diferente, trabalhar diferente, correr alguns riscos que hoje não nos passam pela cabeça, e, em muitos casos empobrecer ainda mais, porque estamos a viver acima das nossas posses. Todos os demónios estão à solta, a China, a demografia, o declínio da cultura empresarial, etc., etc."
Pacheco Pereira, in Sábado

terça-feira, novembro 01, 2005

Será que... ?

Será que o PSD de Porto de Mós vai conseguir ter a mesma paciência para com salgueiro, que Marques Mendes teve com sócrates e como ele ficar em silêncio durante o ‘estado de graça’ da sua governação?

Depois da maioria absoluta conseguida pelo PS em Fevereiro, Marques Mendes ‘apareceu’ apenas durante a férias de sócrates no Quénia em plena época de incêndios e quando já haviam manifestações na rua ... e em Outubro com os resultados das Autárquicas foi o vencedor.

Será que o PSD local, se vai começar a desgastar desde a primeira hora com críticas atrás de críticas, correndo o risco de passar por ‘matraca’ de serviço, sem saber esperar pelos sucessivos e previsíveis deslizes de salgueiro? Quem conhece o presidente eleito como eles conhecerão sabe que, mais mês menos mês, as incoerências irão aparecer... deixem a bola correr.

O cilício não é político profissional mas deixa a sugestão: deixem passar o período do benefício da dúvida e apenas quando se iniciar o período da dúvida do benefício, comecem a mexer-se...