sábado, outubro 29, 2005

Estacionamento subterrâneo junto à Câmara Municipal

Sobre o estacionamento subterrâneo junto à Câmara Municipal, joão salgueiro já disse: "No principio concordei e se calhar continuo de acordo..."

Qual será a sua opinião actual sobre esta obra?

Esse estacionamento seria gratuito? Certamente que não.

A falta de estacionamento junto ao edifício da Câmara Municipal deve-se ao facto de os seus funcionários ocuparem o espaço disponível logo pela manhã e assim permanecer até ao fim do dia. Os utentes que se desenrasquem. Andem a pé que faz bem à saúde...

Será que o estacionamento por de trás da Igreja de São João, não poderia ser destinado aos funcionários da Câmara?

Bastava colocar uns parquímetros junto ao espaço circundante ao Paços do Concelho e o público passaria a ter onde estacionar quando necessitasse de aí se deslocar...

Será que joão salgueiro pensará em estragar vários milhões de euros para levar por diante esta obra?

Depois disso o cenário passaria a ser ... os mesmos automóveis a ocuparem logo de manhã o espaço em redor dos Paços do Concelho ... e o público a pagar para usar o novo estacionamento.

A diferença relativamente ao cenário aqui proposto era apenas na quantidade de dinheiro gasto
.

sexta-feira, outubro 28, 2005

Cenários

Cenários

E se Mário Soares preferisse a vergonha da desistência ao ultrage de uma derrota humilhante?
Qual a opção de Jorge Coelho em tais circunstâncias:

  1. Repescar Guterres;
  2. Recorrer a Vitorino;
  3. Apoiar Alegre;
  4. Apoiar Louçã;
  5. "Dar" liberdade de voto aos socialistas.

Estes ou outros cenários já devem estar a ser equacionados lá para as bandas do Rato.

in ablasfemia.blogspot.com


quarta-feira, outubro 26, 2005

No fio da navalha

... de Medina Carreira, para ler na Grande Loja.

terça-feira, outubro 25, 2005

Promessas...

No longínquo mês de Fevereiro, josé sócrates garantiu que se o PS vencesse as eleições, a auto-estrada do Algarve (Via do Infante) continuaria sem portagens, num discurso em que acusou Santana Lopes de querer «livrar-se» do ministro das Finanças, Bagão Félix.

Em Outubro, o seu segundo Ministro das Finanças já veio dizer que as auto-estradas que atravessam as regiões mais ricas vão ter portagem. De todas as auto-estradas sem portagem, a Via do Infante é a que atravessa mais concelhos ricos. O Ministro das Obras públicas veio dizer que a Nacional 125 pode bem ser uma alternativa à Via do Infante e que a Via do Infante pode vir a ter portagens.

As legislativas já estão ganhas, as autárquicas já passaram e a câmara de Faro até está ganha...

Quantas promessas eleitorais é que sócrates pretende efectivamente cumprir?

quinta-feira, outubro 20, 2005

Obrigado Prof. Cavaco

Prof. Cavaco Silva,

Obrigado por se candidatar à Presidência da República. Fez bem à saúde ouvir o seu discurso de apresentação.

quarta-feira, outubro 19, 2005

Caso ninguém tenha reparado

Freitas do Amaral já foi liberal

terça-feira, outubro 18, 2005

World Values Surveys 1

A World Values Surveys recolhe e estuda informação sobre as mais importantes áreas de preocupação humana, da religião à política e da economia à vida social.

O gráfico acima apresentado (Inglehart Values Map) retracta algumas conclusões tiradas a partir de inquéritos feitos nos países assinalados.

As preocupações de maior importância apresentadas pelos habitantes de alguns dos países estudados diferem consoante a realidade desses mesmos países. Assim, as conclusões resultam da avaliação de cerca de 70% da preocupações totais, mas que são comuns a todos os países.

O eixo vertical representa a relação entre o peso dos valores tradicionais e seculares das sociedades representadas, e o eixo horizontal representa a relação entre o peso dos valores ligados à sobrevivência e à liberdade de expressão.

A diferente posição de cada país no eixo vertical reflecte a importância entre as respectivas sociedades nas questões ligadas à religião e aos valores tradicionais. Apresentam-se como exemplo os laços de deferência e autoridade entre pais e filhos, a rejeição do divórcio, aborto, eutanásia e suicídio.

Têm valores elevados, sociedades mais seculares e racionais, ou seja que atribuem uma menor importância a estas questões. Em oposição surgem as sociedades mais tradicionais em que a racionalidade perde terreno para a religião.

No eixo horizontal pode observar-se o contraste entre a importância atribuída por uma sociedade às questões ligadas à sobrevivência e à liberdade de expressão.

Os avanços verificados pela medicina e implementados em alguns países estabelecem um determinado nível de garantias e permitem que os seus cidadãos atribuam uma menor importância à questão da sobrevivência e assim as suas preocupações ‘evoluam’ para a qualidade de vida. Esta evolução coincide com a superação de um determinado nível de industrialização a partir do qual se pode classificar como sendo uma sociedade do conhecimento.

Assim, encontramos à direita deste eixo, os países mais próximos da sociedade do conhecimento, com um sistema de saúde que coloca a questão da sobrevivência num plano secundário, privilegiando qualidade de vida.

Nestas sociedades as questões ambientais, a tolerância pela diversidade, pela igualdade entre sexos e o aumento da participação na vida política assumem uma particular relevância. Também a preocupação pelo desenvolvimento da educação substitui a exploração do trabalho infantil. A confiança na classe política e interpessoal é uma realidade.

Neste ambiente a liberdade pessoal, a liberdade de expressão e a participação cívica acontecem naturalmente, pelo se tratam de democracias mais maduras.

Por oposição, à esquerda encontram-se os países que têm mais dificuldade em assegurar a sobrevivência dos seus habitantes e todas as outras questões aqui enumeradas têm uma importância secundária.

Após a apresentação do gráfico, observamos que em termos de agregados, Portugal se encontra afastado da realidade europeia, entre os países da América Latina.

No eixo vertical (tradição vs racionalidade), a sociedade portuguesa atribui um maior peso à tradição (em detrimento da racionalidade) que, por exemplo o Vietname, a Índia ou o Uruguai.

No eixo vertical (sobrevivência vs maturidade da democracia), encontramo-nos num estádio menos evoluído que o México e Porto Rico

Será alheio a esta análise o sucesso dos autarcas de Felgueiras, Gondomar, Oeiras e Porto de Mós?

Será que fugindo à justiça no próprio país, depois de em audiência assegurar o contrário ao juiz, fazer campanhas eleitorais a oferecer electrodomésticos, esquecer-se de declarar contas secretas ao tribunal de contas e ir a Fátima a pé em promessa/aposta feita durante a campanha, algum candidato sueco (ficam lá longe ao fundo do gráfico) seria eleito?

sábado, outubro 15, 2005

A mão amiga?

Desta vez fernando amado não desistiu antes das eleições.

Talvez por acreditar na capacidade de avaliação dos portomosenses, nunca achou possível a vitória de salgueiro.

Apesar de tudo, ainda se lembra das muitas críticas que lhe dirigiu quando este era o nº2 de José Ferreira. Até se deve lembrar do célebre episódio da construção da rotunda das mós, das figuras que fez e do que disse relativamente ao agora eleito Presidente da Câmara. Todos os portomosenses se lembram das horas de risota à conta do cartaz “José ‘Taliban’ Ferreira”, com que se passeou por Porto de Mós. Os clientes da instituição bancária para quem trabalha, chegaram a pensar que seria alguma nova campanha de marketing.

Quem é que se riu mais ruidosamente? Certamente agora salgueiro negará que foi ele... mas foi.

Será por acaso que nunca fizeram campanha juntos?

Qual seria o palpite de fernando amado para o desfecho destas eleições?

Mas a vitória do dia 9, fez com que esquecesse as vezes que foi o bobo da corte da maioria PSD. Aceitou a mão, agora amiga, de salgueiro que o ajudou a subiu para cima do camião e deixou-se fotografar pela imprensa juntamente com o vencedor da noite. Parte dele pensava: o que é que estou a fazer ao pé deste tipo? Outra parte rejubilava só de imaginar o orgulho que o mano ministro teria nele...

sexta-feira, outubro 14, 2005

Recuperando o Região de Leiria:

“.... não deveria ser difícil ao PS ganhar a autarquia (referindo-se a Leiria). Acontece até que se o não fez já, isso se deve, essencialmente, à incompetência e às motivações muito pouco transcendentes dos seus dirigentes, distritais e nacionais. Incompetência e motivações que estão na origem dos resultados desastrosos que o PS teve em todo o distrito, perdendo votos, autarquias e, porventura mais grave, a própria alma, como aconteceu em Porto de Mós.”

Henrique Neto, destacado socialista de Leiria

Jorge Coelho e a as autárquicas

O homem estava mesmo determinado.

quinta-feira, outubro 13, 2005

Sobre a identidade do autor

O cilício tem recebido bastantes emails de leitores. Uns fazem ameaças, outros são simpáticos, outros pedem para continuar a blogar, alguns ainda questionam a razão do anonimato, outros fazem denuncias...

Sobre a anonimato o autor pensa que num espaço de debate de ideias, sugestões, conceitos e linhas de orientação, as caras não são necessárias e até complicam.

Quer se admita ou não, a reacção a uma sugestão ou repreensão será diferente de acordo com quem a faz. Certas figuras da nossa praça, tidas como pessoas importantes, sempre que abrem a boca têm audiência e concordância garantida. Esqueçamos isso.

O cilício convida ao debate apenas pelo debate, preocupando-se apenas com a substância do mesmo e sem querer saber dos títulos e dos cargos dos intervenientes. Haja lealdade e os pseudónimos são bem vindos.

Todos têm o direito de se fazer ouvir e, conversando, de aprender e partilhar.

O cilício acredita que ter opinião, mais que um direito, é uma obrigação (até rimou). O nível de cidadania do indivíduo é proporcional à profundidade das suas opiniões.

O anonimato do seu autor, criticado apenas por quem foi incomodado e questionado, permite que quando assim o entender possa calmamente encerrar o estabelecimento e pacificamente voltar a ser apenas mais um portomosense.

O autor do cilício não é nenhum herói de Marvel com super capacidades que consiga ver através das paredes ou que a partir da rua consiga ouvir o que se passa dentro da casa de cada um. É apenas mais um de entre vós.

Como muitos outros portomosenses, o autor já foi confrontado com a existência de um blog de alguém de Porto de Mós. Já ouviu pacientemente, e até com espanto, explicações sobre o funcionamento dos blogs. Será apenas um ou vários? Será um ou uma? Novo ou velho? Comuna ou facho? Várias questões ficam no ar. Já teve inclusive de o comentar como se de um simples leitor se tratasse e acha que foi convincente.

Coabita com todos e a todos cumprimenta. Frequenta os cafés de referência da terra e é aí que se põe ao corrente das últimas novidades. Estas, estão próximas de todos mas são apenas alcançadas por poucos. É necessário fazer as perguntas certas, às pessoas certas na altura certa. Essa é a alma do negócio...

Quando beber a sua próxima bica em Porto de Mós, lembre-se que provavelmente o cilício também já terá bebido café pela mesma chávena e que ao pegar nela também deu o lado direito à asa...

Encontramo-nos por aí... todos os dias.

terça-feira, outubro 11, 2005

A Grande Marcha

O cilício não teve a oportunidade de ver as mais recentes noticias sobre o nosso concelho na TV, mas pelo relato que ouviu ficou a saber que foi por muito pouco joão salgueiro cedeu os lugares cimeiros no mediatismo/populismo aos autarcas de Gondomar, Felgueiras, Oeiras e Amarante. Há no entanto uma diferença significativa. O joão salgueiro ainda não tomou posse e os outros já têm alguns mandatos de avanço.

Perante isto o cilício tomou a liberdade de contactar via email as Autarquias concorrentes na notoriedade, avisando que joão salgueiro não brinca em serviço, já abriu pisca e que se prepara para os ultrapassar fora de mão.

Segundo o relato ouvido num café à beira da IC2, as imagens transmitidas em tudo faziam lembrar a mítica Grande Marcha de Mao Tsé Tung através da imensa China. À frente da salgueirada de bandeiras desfraldadas ao vento e entoando os cânticos da revolução, seguia o grande líder da viragem à esquerda, determinado, de queixo levantado, de camisola transpirada e já com falta de ar de tanto prometer.

Os elementos mais empedrenidos das hostes, comparam o dia 10 de Outubro de 2005 ao 26 de Abril de 1974 e com a voz embargada pela emoção gritam: ‘O povo unido jamais será vencido’...

Agora que terminou a época de incêndios, as televisões ávidas de assunto, já ficaram com a pulga atrás da orelha e andarão por aí a tentar explorar o filão noticioso do nosso concelho. Certamente que joão salgueiro não as irá decepcionar.

Finalmente vamos sair do anonimato...

segunda-feira, outubro 10, 2005

Reposição

O cilício é um democrata. Todos sabem que a opinião que tem de joão salgueiro não é propriamente simpática.
Os leitores mais recentes, que não conheciam este blog antes da campanha eleitoral podem achar que se trata apenas de um órgão de propaganda. Enganam-se.
Condicionado à modesta capacidade literária do autor, o propósito do cilício é levantar questões sobre temas da actualidade e sobre a forma como são tratados pelos
decisores políticos.
Nesse sentido, ao longo dos seus 10 meses de existência foi publicando textos questionando quem estava no poder autárquico, ou seja ao Dr. José Ferreira secundado pelo sr. salgueiro.
Os referidos textos não solicitam respostas por escrito, pretendem apenas lançar dúvidas sobre assuntos aparentemente banais.
Segundo o que diz, joão salgueiro está romper pelas costuras de motivação para tirar o nosso concelho do subdesenvolvimento. Na qualidade de recém-chegado (será que é?), merece o benefício da dúvida.
Infelizmente, o cilício teme que a breve prazo se instale a dúvida do benefício...

Enquanto os portomosenses festejam o salto que deram da frigideira para o lume (como o cilício gostaria de estar enganado) aqui ficam alguns desses textos em reposição:

O poder do futebol e o futebol do poder
Ainda a prática desportiva
Bibliocafés

Sr. salgueiro, qual é a sua opinião sobre estas questões e sugestões? Não responda nem mande recado, aja!

Eleições Autárquicas # 21

Como já todos sabem o texto que estava na calha não era nestes termos. Mas aqui vai.

Em democracia ganha-se e perde-se. Porto de Mós perdeu.

Dizem as práticas politicamente correctas que se deve dar os parabéns aos vencedores. E cilício dá os parabéns aos dez Presidentes de Junta que conseguiram manter o mapa das freguesias maioritariamente laranja. Nenhum dos candidatos a Presidentes de Junta que posaram para a foto do outdoor a apertar a mão a salgueiro, conseguiu ganhar na sua freguesia. Quanto muito conseguiram manter as maiorias que já tinham. Tá visto que apertar a mão ao homem dá azar.

Será que salgueiro, profundo amante dos ideais socialistas e profundamente enraizado nessa família, terá telefonado a carrilho a dar-lhe os parabéns pelo resultado obtido? E a joão soares? E a francisco assis? E a raul castro? E a rui barreiro (Santarém)? E a ... (são tantos)...

Como será a relação de salgueiro, ex-PSD encantado há poucos meses com a beleza dos valores socialistas, com os presidentes de junta que na sua maioria são de cor oposta e que fizeram campanha contra ele?

Será que irá aproveitar a sua posição de Presidente de Câmara para legalizar a piscina municipal das Pedreiras?

Será que salgueiro, depois de fazer do ordenado de José Ferreira assunto de campanha, irá divulgar finalmente os seus verdadeiros rendimentos, e assim explicar como consegue sustentar tantos cavalos de competição e a vida farta que os salgueirinhos levam, esses sim nascidos em berço de ouro e forrado a cheques ao portador?

Será que a empresa de eventos alcoólicos dos salgueirinhos irá finalmente ganhar os concursos de serviço de bar dos eventos camarários? É que até agora nem concurso existia...

De que forma é que salgueiro irá reembolsar as empresas investidoras que por impedimento legal não podem financiar as campanhas eleitorais, mas que mesmo assim o fizeram?

Como é que irá lidar com os seus vereadores? Qual será o pelouro do ferramenteiro de serviço? Que relevância irá dar aos seguintes membros da sua lista que chegaram a vereadores do executivo exclusivamente por terem apanhado uma boleia na frota de rent-a-car?

Confirmar-se-á a hipótese de alguma das meninas da sua lista, mesmo não tendo sido eleitas, virem a ser convidadas a ser sua(s) assessora(s) pessoal(ais)? Todas ao mesmo tempo, ou em regime de rotação?

Como é que será o desempenho dos vereadores da oposição?

Como decorrerão as sessões de Assembleia Municipal cujo futuro Presidente, juntamente com o Eng. António José Ferreira, foi mimoseado com o título de ‘indigno‘ por salgueiro durante o debate no cine-teatro?

Estas e muitas outras questões ficam no ar. A seu tempo terão resposta.

O cilício anda por aí...

domingo, outubro 09, 2005

Eleições Autárquicas # 20

Este relato em período de reflexão não pretende alterar o sentido de voto a nenhum dos leitores.

Ontem após o encerramento da campanha, consta que os salgueirinhos envergando as T-shirts da moda (iguais à da jeitosa que aparece no jornalinho da polémica, que pelo que o cilício apurou não vota cá no concelho), se meteram em tom provocatório com os laranjinhas que abanavam o capacete no jardim da esplanada. O assunto do debate foi que não podiam estar em período de reflexão empunhando bandeiras, e defendiam-se dizendo que não podiam tirar as T-shirts porque algumas miúdas da sua caravana (pelo que o cilício apurou também não votam cá no concelho), não tinham indumentária interior que o permitisse.

É ou não pessoal democraticamente bem formado? São ou não o sonho de qualquer pai colecionador de armas?

sexta-feira, outubro 07, 2005

Eleições Autárquicas # 19

Às 00h00 inicia-se o período de reflexão. O cilício regressará apenas para comentar os resultados de Domingo.

Post Scriptum: O texto da vitória já está escrito... só faltam mesmo os últimos retoques.

Até lá!!

quinta-feira, outubro 06, 2005

Eleições Autárquicas # 18

O cilício tem ouvido tantos comentários sobre a última publicação da campanha de salgueiro, que já se questionou se o PSD (A) não estará por detrás dela. Não terá sido o ex-partido de salgueiro a financiar este pasquim? O efeito que está a ter nos indecisos é estrondoso...

Antes da dita publicação ter saído, a campanha de salgueiro teve mais um momento alto num animado convívio com dançarinas sevilhanas. Ao povo foi dado a consumir porco no espeto regado com muitos litros de cerveja à pala do partido da mão fechada.

Tudo não passava de mais uma normal acção de campanha, não fossem os estrategas que aconselham o candidato do PSD (B) terem escolhido o largo de um cemitério para este evento.
Esqueceram-se que nesse mesmo local um corpo tinha regressado à terra há menos de 24 horas...
Mais um sinal de um tremendo 'savoir faire'.
Se a familia do defunto estivesse no grupo dos indecisos, certamente que já sabem em quem não votar.

Era caso para fazer um mini teste à salgueiro:

- Acha que o cemitério é um lugar de respeito?

Se respondeu não, então vote salgueiro sim.


Que mais irá acontecer?

quarta-feira, outubro 05, 2005

Eleições Autárquicas # 17

Na sua mais recente publicação de campanha, salgueiro ultrapassa o razoável, baixando a um nível que até o cilício, que nunca o teve em grande conta, ficou surpreendido.

O homem está desesperado. Entrou na fase, que numa luta entre crianças equivaleria às trincadelas e ao puxar o cabelo. Para ele agora vale tudo.

Estava para aqui comentar o teste de fidelidade aí apresentado, ou o comentário que faz aos óculos de José Ferreira, ou a combinação que o seu staff fez com Nª Srª de Fátima (não foi uma promessa, foi um acordo...), ou a avaliação que fez do debate, mas com a última edição d’O Portomosense na mão, com tantos textos e tão interessantes (o do Paulo Amado está delicioso) e com a questão levantada por um novo leitor do blog sobre a piscina municipal das Pedreiras (perdão da casa de joão salgueiro, em redor da qual os salgueirinhos organizam os eventos nocturnos mais in do concelho), o cilício fica sem saber o que comentar. Todos serão abordados, mas a seu tempo.

Mas enquanto isso, o cilício deixa o apelo: Investiguem este homem!!! A questão da piscina sem licença é gira...

Post Scriptum: Será que a ida a Fátima a pé, não quererá dizer que irão à pata visitar a dra. fátima felgueiras para pedir ajuda a esta santinha do saco azul, padroeira do populismo enganador?...

segunda-feira, outubro 03, 2005

Quem é que lê o cilício?

Há duas semanas o cilício subscreveu um serviço para webmasters que permite conhecer os IP’s de origem dos seus leitores.

Os resultados são interessantes. As origens são diversas mas há um servidor que se destaca.

joão salgueiro tem razão quando diz que os funcionários municipais, entre os quais dezenas de engenheiros e arquitectos, estão fechados nos gabinetes à espera que os ponham a trabalhar...

Enquanto esperam visitam o cilício...

domingo, outubro 02, 2005

Eleições Autárquicas # 16

salgueiro está a gastar rios de dinheiro na sua campanha, que verdade seja dita, está cheia de detalhes bem pensados. Os técnicos de marketing que o acompanham sabem o que fazem e sabem também que a parte mais significativa de uma mensagem segue exactamente nos seus detalhes.

O cilício já não vai falar da frota de rent a car, nem do camião das mudanças (leia-se da cerveja), nem dos slogans, mas sim do seu hino.

Como já foi apelidada por um leitor do blog, a versão salgueirada do hino da selecção nacional para o Euro2004 é ou não adequado a uma equipa destinada a ficar em segundo lugar?...

sábado, outubro 01, 2005

Eleições Autárquicas # 15

Aos olhos do público, do debate televisivo entre Carmona e carrilho sobrou apenas a cena do aperto de mão.

Depois de três horas na companhia da RDF, sobrou apenas a acusação de indignos feita por salgueiro aos candidatos adversários logo depois do intervalo.

Estes dois episódios ficarão na memória de todos como imagem de marca das respectivas derrotas.

Eleições Autárquicas # 14

Cartazes há muitos!

Algures na internet foi criado um blog com os melhores (?) cartazes da campanha eleitoral.

Graças à criatividade da candidatura de Antonieta Mariano, Porto de Mós já lá está.

O cilício recomenda a leitura dos respectivos comentários.