terça-feira, maio 31, 2005

Ainda Cravinho na RR

O Sr. Fernando Gomes, ex-Presidente e ex-candidato derrotado da Câmara do Porto, ex-Ministro despedido, deputado da Nação, foi nomeado para Administrador da GALP. Coisa normal emGovernos Socialistas, tal é a experiência do senhor no sector petrolífero.

Também normal, é o comentário do seu colega de partido, o Sr. João Cravinho, segundo o Público, citando a Renascença: “Também estranhei, porque a Galp tem hoje problemas muito complicados e era natural que tendo um presidente experiente, como Murteira Nabo, a sua direcção integrasse outro tipo de profissionais que não o doutor Fernando Gomes”

Responsabilidade?

Hoje o cilicio ouviu uma parte do debate entre a Manuela Ferreira Leite e João Cravinho na Radio Renascença.
O pouco que ouvi foi suficiente.
Cravinho afirmou, e referindo-se ao famoso limite do défice não poder ultrapassar 3% do PIB, que Manuela Ferreira estava mal informada sobre o rigor desse limite. Acrescentou que quem a informou era ignorante e incompetente. Ao que Manuela Ferreira Leite lhe respondeu que estava informada pelo Ecofin e por isso disse-lhe simplesmente que estava enganado.
Logo depois a ex-Ministra da Finanças disse que não discordava do anunciado aumento do Iva, discordava sim com o facto das medidas de redução da despesa não abrangerem as autarquias nem os governos regionais. Deixou no ar a pergunta, de que não obteve resposta, se esta coincidência não teria a ver com a próximas as eleições autárquicas...

Já há duas semanas Jorge Coelho apareceu em público com um ar sentido de quem revela um segredo dizendo que a culpa da actual situação das finanças públicas era exclusivamente do governo PSD/CDS-PP.
Dias mais tarde quando Miguel Cadilhe disse que a origem da dimensão do défice remontava aos governos de Cavaco Silva, Jorge Coelho que provavelmente já se tinha esquecido das suas afirmações, aquiesceu e disse que Miguel Cadilhe estava a falar verdade.
Afinal a culpa foi do governo de Cavaco Silva ou de Durão Barroso e PSL? Para ele não sobra nenhuma responsabilidade para os governos de que fez parte?

Por parte dos maiores partidos não há dificuldade nenhuma que não sirva de arma de arremesso...
Sem assumir as responsabilidades que reclamam nas campanhas eleitorais, estamos entregues aos bichos...

quarta-feira, maio 25, 2005

Escrito em 3 de Janeiro de 2005

Estavamos em plena campanha eleitoral e embalados pela habituais promessas, os políticos portugueses lá íam tentando angariar eleitores...

"Hoje foi dia de diz e desdiz, como quase todos os últimos dias dos últimos meses do finado ano. Primeiro disse-se que com o PS no poder o IVA iria aumentar para 20%. Meio mundo botou discurso sobre o tema, uns que sim outros que não, e depois de muito comentado o PS desmentiu. Logo veio de lá o PSD, que desmentiu o desmentido do PS e até afirmou que com com o PS os impostos sobem mas com o PSD os impostos vão baixar.
Mentem ambos. Em 2005 os impostos vão subir. Não depende do partido do governo.
Nas campanhas, os partidos têm por hábito 'explicar' que se combate um défice enorme baixando impostos. Aumentando alegremente as reformas e os salários dos funcionários públicos. Praticando a solidariedade pública com uma aposta firme em novas e variadas despesas de índole 'social'. Construindo novos hospitais para inaugurar no ano das próximas eleições. Contratando mais polícias. Investindo em infraestruturas babilónicas e megalómanas. Organizando Expos, Euros e Capitais da Cultura para alegrar o povão.
Eles contam-nos esta história e, espantosamente, há por aí muito boa gente que acredita na patranha.
É mentira. Em Portugal os impostos vão mesmo subir. Em 2005, quase de certeza, e em 2006, inevitavelmente. O que não subirem hoje, subirão amanhã, com o crescimento anual da dívida pública ao ritmo da acumulação dos défices.
Vão começar pelo tabaco, argumentando que nos estão a proteger a saúde. Depois serão as bebidas alcóolicas, para defender a sobriedade dos portugas e diminuir os custos de tratamento das cirroses. Logo se seguirá um imposto ecológico sobre energia e combustíveis. E, Deus nos livre, se o Bloco tiver poder de obrigar o governo a satisfazer os seus caprichos, teremos uns impostos palermas que em nome da justiça social servirão para afugentar o capital de Portugal e provocar ainda maiores aumentos de impostos a prazo. E também virá o IVA. Alguns produtos vão mudar de categoria, passando de 5% para o 12% ou de 12% para 19%. Produtos com peso no cartaz de compras. As bebidas alcoólicas, por exemplo. O vinho e a cerveja. Ao mesmo tempo vão baixar um ou dois produtos pouco significativos de cima para baixo, para justificar a coisa como uma arrumação e não como um aumento de impostos. E quando já não souberem o que fazer, é o 19% que vai para 20% ou o 5% que vai para 6%. A culpa será da herança do anterior governo.
Infelizmente, não haverá alternativa. E não há alternativa porque a alternativa é insuportável para os partidos.
O que é obrigatório em Portugal é acabar com 200.000 postos de trabalho no estado e suportar a lenta e penosa absorção desta multidão pelo sector privado. Desfazer ou encolher para as suas competências fundamentais as centenas de IFADAPs/INGAs/IAPMEIs/ICEPs/ANACONs que por aí pululam, consumindo ingloriamente fatias crescentes da riqueza criada nas empresas. Privatizar os serviços que sobrevivem incompetentemente à sombra do contribuinte. Diminuir significativamente as transferências para as autarquias, obrigando-as também a racionalizar os seus quadros de pessoal e as suas despesas eleitoralistas. Aumentar as horas lectivas dos professores do ensino secundário e das universidades públicas. Encerrar e concentrar escolas. Tudo coisas que terão um imediato e colorido 'bota-abaixo' dos sindicatos, dos grupos de pressão e mais meio mundo com a total colaboração da nossa inconsciente comunicação social que fará muitos directos das manifestações de indignação dos grupos afectados.
Se algum partido tiver a veleidade de fazer uns míseros 5% do que é obrigatório, terá desde logo garantido uma derrota das grandes nas eleições seguintes...
A conclusão é só uma: se nada do que é essencial vai ser feito, os impostos vão mesmo aumentar. Quem não o afirmar explicitamente nesta campanha eleitoral estará a mentir. Hoje mentiram-nos Manuel Pinho e Miguel Frasquilho. Amanhã vamos ouvir as mentiras de Sócrates e Santana. Vêm aí o tempo das promessas.
É assim a política em Portugal."

in jaquinzinhos.blogspot.com

quinta-feira, maio 12, 2005

Última Hora...

"Última Hora Depois da Última Hora

Casa Branca desevacuada. Era só um qualquer "Ivo Ferreira" americano num monomotor.


Última Hora

Casa Branca evacuada."

in jaquinzinhos.blogspot.com

quinta-feira, maio 05, 2005

Eleições Autárquicas – Porto de Mós

O PSD local, continua a adiar a nomeação do seu candidato à autarquia de Porto de Mós.

Porquê?
Primeiro porque o candidato do Partido Socialista é de facto alguém que não terá a mínima hipótese de ganhar.

Será só por isso?
Ou continua o PSD local indeciso entre, repetir pela 4ª vez consecutiva a candidatura do actual Presidente ou .....
..... ter a coragem de MUDAR, aproveitando a oportunidade criada pela fraqueza da candidatura do PS.

CORAGEM e OUSADIA é o que se pede aos responsáveis locais por esta decisão.

terça-feira, maio 03, 2005

Albert Einstein

Cinco décadas após a morte de Albert Einstein, o Cilício relança aqui um teste criado por ele para medir o QI dos seus alunos. O Cilício resolveu o problema.

1- Há cinco casas de diferentes cores
2- Em cada casa mora uma pessoa de nacionalidade diferente
3- Nenhuma delas tem o mesmo animal, fuma o mesmo cigarro ou bebe a mesma bebida
4- O inglês vive na casa vermelha
5- O sueco tem cachorros
6- O dinamarquês bebe chá
7- A casa verde fica do lado esquerdo da casa branca
8- O homem que vive na casa verde bebe café
9- O homem que fuma Marlboro cria pássaros
10- O homem que vive na casa amarela fuma Hollywood
11- O homem que vive na casa do meio bebe leite
12- O norueguês vive na primeira casa
13- O homem que fuma Charme vive ao lado do que cria gatos
14- O homem que cria cavalos vive ao lado do que fuma Hollywood
15- O homem que fuma Free bebe cerveja
16- O alemão fuma Camel
17- O norueguês vive ao lado da casa azul
18- O homem que fuma Charme é vizinho do que bebe água


Quem tem um peixe como animal de estimação?

domingo, maio 01, 2005

Ainda a Liga

“A Comissão Disciplinar (da Liga) parece apenas preocupada em encontrar nos estatutos a forma de legalizar as alterações de campo que permitem ao Benfica jogar sempre em campo neutro os jogos fora que ainda lhe restam até ao fim do campeonato. Só assim se explica que os juizes-conselheiros ainda não tenham tido tempo para abrir um processo, apesar das conclusões do despacho da juíza: corrupção de árbitros através de serviços de prostitutas por parte de Pinto de Costa com alegados benefícios para o FC Porto e prejuízos para os adversários Sporting e Benfica. É o que se chama apitar para o lado...”

in Sábado